COMO PARAR DE PAGAR PENSÃO ALIMENTÍCIA - EXONERAÇÃO DE PENSÃO



PRECISA DE UM ADVOGADO ESPECIALISTA EM EXONERAÇÃO DE PENSÃO?


Você pode contar com Fernando Fernandes para lhe ajudar!


      Para que haja obrigação ao pagamento de pensão alimentícia, em regra, o possuidor do direito deverá ingressar judicialmente com uma ação de alimentos, sendo que por meio de tal ação, será determinado pelo juiz, o valor da pensão a ser paga.
 Somente após a determinação judicial, será possível cobrar os alimentos por meio de Ação de Execução de Alimentos, isso, caso o alimentante (quem paga a pensão) não pague os valores espontaneamente ao alimentando (quem recebe a pensão).
 Ocorre que o instituto dos alimentos não se presta a fomentar o ócio e a condição parasitária de quem recebe. O direito a alimentos não se representa uma isenção legal do dever de trabalhar e de buscar o próprio sustento, nem dá a quem paga, a condição de escravo, logo, temos que a pensão alimentícia poderá ser encerrada, no entanto, da mesma forma que a pensão foi fixada judicialmente, o cancelamento também estará sujeita a decisão judicial, que poderá ser alcançada através de uma ação de EXONERAÇÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA.
 Importante esclarecer que a pensão não se encerra automaticamente quando o filho completa a maioridade civil (18 anos). Tal premissa não passa de mito criado por populares e comentaristas do direito, isso não existe! Já presenciei casos de filhos com 25 anos de idade cobrando pensão alimentícia atrasada do pai, e o pior, geralmente os filhos têm sucesso nesse tipo demanda, ante a falta de uma decisão judicial que exonerasse o pai de tal obrigação.
 Apenas para arrematar o tema, vejamos o descrito na Súmula 358 do STJ:

"STJ Súmula nº 358 - 13/08/2008 - DJe 08/09/2008 Cancelamento de Pensão Alimentícia de Filho - Maioridade – Contraditório - O cancelamento de pensão alimentícia de filho que atingiu a maioridade está sujeito à decisão judicial, mediante contraditório, ainda que nos próprios autos." (grifei).

No que diz respeito a pensão de ex cônjuges, constitui, em regra, situação transitória, destinada a subsidiar o necessitado até que obtenha condição para se manter sozinho, ou seja, nesses casos, geralmente estipula-se pensão por um período determinado, entretanto, caso não haja essa estipulação de período no momento da fixação dos alimentos, a obrigação só extinguirá após determinação judicial.
 Recentemente tive um caso onde uma ex esposa, que após mais de 30 anos do divórcio, cobrou pensão que o marido havia deixado de pagar (nesse caso o marido pagou pensão a ex esposa por 29 anos, após esse período, sem conhecer o direito, por livre e espontânea vontade deixou de pagar pensão), sendo que nesse litigio, a esposa também obteve sucesso na demanda.
 Portanto, para que cesse a obrigação de pensionar, será necessário que o pagador ingresse com a mencionada ação de exoneração, já que esse é o único meio seguro e correto para quem quer parar de pagar pensão.
Poderá o alimentante pleitear a exoneração de alimentos, quando a pessoa que recebe possuir condições de se manter com rendimentos próprios, ou seja, quando o recebedor dos alimentos atingir sua independência financeira, quando conseguir sua autonomia, podendo sobreviver sem os valores anteriormente determinados pelo juiz.
Normalmente, configura-se tal situação quando aquele que recebe a pensão começa a trabalhar e passa a ser remunerado com um valor igual, ou, na maioria das vezes, com valor superior ao da pensão.
Outra hipótese em que se entende que a necessidade de receber alimentos cessa, é no caso de casamento posterior, até porque, quem se casa também deve assumir a responsabilidade de arcar com seus gastos, razão pela qual o casamento faz presumir que existe uma capacidade de se manter e permite a exoneração de alimentos.
Aqui no escritório Fernando R. Fernandes Advocacia, você poderá pagar os honorários em até 10 parcelas, via cartão de crédito.
       Procure sempre um advogado de confiança e não deixe de exercitar os seus direitos!
O escritório Fernando R. Fernandes Advocacia também se coloca à disposição para quaisquer esclarecimentos, entre em contato e fale com um especialista:



(62) 98565-3289


Clique nos ícones abaixo, siga-nos pelas redes sociais e fique por dentro de seus direitos!
Não deixe de comentar e compartilhar!



Entre em contato e faça-nos uma visita!
Aceitamos cartões de débito e crédito.

Logotipos de meios de pagamento do PagSeguro

Comentários

O que estão falando sobre nós no Google: